Posts Tagged ‘UBI’

Recepção ao caloiro 2010 @ Covilhã – UBI

27 de Setembro de 2010

OUTUBRO DE 2010

Domingo – dia 17
Antologia do fado académico no Teatro Cine da Covilhã

Segunda-feira – dia 18 (ANIL)
Tiago Silva, Banda RED, Xinobi

Terça-feira – dia 19 (ANIL)
Dias de Raiva, Orelha Negra, Magazino

Quarta-feira – dia 20
Espectáculo: “Telas Aéreas” de Carolina Touceda
LaTaDa, Tunas Académicas (ANIL)

Quinta-feira – dia 21 (ANIL)
Oioai, Homens da Luta, Freshkitos

Sexta-feira – dia 22 (ANIL)
Espectáculo: “In Vino Veritas”,Tributo a Nirvana, Expensive Soul, DJ the Fox

Sábado – dia 23
Caducados, Xutos&Pontapés , Mix de Dj’s da Covilhã

Preços dos Bilhetes Gerais
30 euros para estudantes e sócios da AAUBI
35 euros para estudantes
40 euros para não estudantes

*(O cartaz será publicado assim que disponível)
(Programa sujeito a alterações)

Directamente de FinalEncounter

Sistema para invisuais @ UBI

14 de Setembro de 2010

Um dos mais recentes protótipos desenvolvidos por Pedro Araújo assume-se como uma possível resposta para os invisuais terem a possibilidade de praticar atletismo de forma autónoma. Através de um dispositivo electrónico usado como uma mochila identificam-se os possíveis obstáculos numa pista e como evitá-los.

A arquitectura de computadores, o desenho e funcionamento dos sistemas informáticos, a mecanização e robótica associadas a diversos objectos são área que têm despertado a curiosidade e até paixão de Pedro Araújo. Este docente do Departamento de Informática da UBI desenvolveu já um vasto leque de instrumentos para exemplificar aos seus alunos a aplicação prática do que teoricamente aprendem nas cadeiras da universidade.
No conjunto de territórios científicos explorados por este investigador, destacou-se um “pela pouca quantidade de soluções apontadas para as necessidades das pessoas”. Pedro Araújo refere-se a soluções tecnológicas pensadas para dar resposta às necessidades de pessoas invisuais que desejem praticar desporto. Depois de uma pesquisa sobre o tema, o docente de Informática depressa concluiu que não existem muitas respostas. Araújo garante que “sistemas que ajudam os invisuais no seu dia-a-dia existem e até com grande relevância, mas na prática desportiva que pode ser aqui encarada como forma de integração na sociedade e também como forma de permitir a essas pessoas, que de alguma maneira, sejam capazes de certas acções que não conseguem fazer, não há grande resposta”.
Apoiado por alguns alunos, sobretudo de 2º ciclo, propôs-se a desenvolver um protótipo capaz de dar alguma autonomia a pessoas invisuais. “Pensámos no atletismo por ser uma modalidade algo simples, quer nas estruturas onde se pratica, quer até no próprio desporto e nos movimentos que implica”, descreve. Habitualmente, a corrida é uma modalidade que os invisuais praticam com a ajuda de um guia. Para que possa existir uma total autonomia do atleta invisual, Pedro Araújo desenvolveu um sistema electrónico composto por diversos sensores que detectam a presença de obstáculos nas imediações do corpo do atleta. Todo o conjunto está integrado numa pequena mochila “que o atleta coloca, ajustando os diversos sensores ao seu gosto”. Ao correr numa pista de atletismo, “o aparelho orienta-se pelos painéis publicitários que são colocados em redor das pistas de atletismo, e assim consegue ter um ponto de referência”, adianta o professor. Com o utilizador a correr numa mesma pista, “caso se aproxime de uma outra pessoa, ou de algum obstáculo, os sensores detectam a presença de algo estranho na rota do corredor e avisam-no”. Outro dos pontos inovadores desta solução desenvolvida totalmente por este investigador da UBI, é que a mesma “permite saber a localização desse suposto obstáculo, para que o atleta invisual saiba para que lado se deve dirigir”. Pequenos sistemas de vibração semelhantes aos que são instalados nos telemóveis, “podem dizer ao invisual que à sua frente está alguém, ou algum obstáculo, ou ao seu lado direito e então tem de ser desviar para a esquerda, ou vice-versa”, remata.
Todo o sistema é completamente ajustado a diferentes utilizadores e não requer nenhuma adaptação especial das pistas onde poderá ser utilizado. A utilização dos painéis publicitários como pontos de referência para todo o sistema “deve-se ao facto destes habitualmente se encontrarem nos complexos desportivos e estarem colocados em redor das pistas de atletismo”, lembra Pedro Araújo. Este tipo de painéis podem também acabar por ser fonte de receitas para a aquisição e manutenção destas soluções tecnológicas, representando um apoio quer para as pessoas invisuais, quer também para as próprias empresas “que assim fomentavam a política de responsabilidade social”.
O docente da UBI esclarece, todavia, “que este sistema é ainda um protótipo”. Para além disso, “serve essencialmente para a prática desportiva”. Daí que Araújo esteja esperançado em ver este sistema a funcionar, por exemplo, no Complexo Desportivo da Covilhã. Com esta ideia, o docente participou já em diversos concursos tecnológicos, onde esta solução tem recebido um bom feedback, mas em termos de produção industrial “é provável que a questão não se coloque”. A solução passa por facultar “dois ou três sistemas nos recintos desportivos e estes serem utilizados quando as pessoas invisuais assim o desejassem”.

via UrbietOrbi

UBI distinguida com Selo de Qualidade

6 de Julho de 2010

A Universidade da Beira Interior foi, pela segunda vez, distinguida com o selo “Suplemento ao Diploma” outorgado pela Comissão Europeia, em reconhecimento da excelência na sua aplicação.

“A cerimónia oficial de atribuição deste selo de qualidade, para o período 2010-2013, terá lugar em Antuérpia, no dia 5 de Outubro, no âmbito da Conferência de Mobilidade promovida pela presidência belga da União Europeia.
O selo “Suplemento ao Diploma” atesta a capacidade de uma instituição emitir, de forma automática e gratuita, o Suplemento ao Diploma, numa língua amplamente falada na Europa para qualquer titular de uma qualificação de ensino superior, segundo o modelo elaborado pela Comissão Europeia, Conselho da Europa e UNESCO.
O Suplemento ao Diploma é emitido pela UBI desde 2004, conjuntamente com as Cartas de Curso/Magistrais e Doutorais, e descreve a natureza, o nível, o contexto, o conteúdo e o estatuto dos estudos seguidos e concluídos com sucesso, tendo em vista promover a transparência e o reconhecimento das qualificações, facilitando a mobilidade e empregabilidade dos diplomados preconizadas pelo Processo de Bolonha.
A obtenção do selo “Suplemento ao Diploma” insere-se na estratégia definida pelo Plano de Acção do Reitor para 2009-2013, no âmbito da implementação de uma cultura da qualidade na UBI.”

via urbietorbi

WebRun @ DI – UBI

5 de Julho de 2010

Um Funeral à Chuva – Estreia

2 de Junho de 2010

“Um funeral à chuva” foi gravado na Covilhã em apenas 2 meses e é a primeira longa metragem de Telmo Martins. A história baseia-se na vida de 7 amigos, antigos estudantes da Universidade da Beira Interior, que se voltam a reunir 10 anos depois por causa da morte de um deles. Vejam o trailer:

SINOPSE: “Zé é hoje professor universitário. Marco, um famoso cronista de viagens. Rui é empregado num clube de vídeo e namora com Vasco. André tenta viver da música que faz e a sua irmã Susana é uma Engenheira bem-sucedida. Diana queria ser actriz, mas tornou-se um dos rostos da televisão nacional, graças ao concurso que apresenta. Em comum, têm o facto de terem partilhado a mesma experiência académica e os 10 anos de separação que prevalecem desde o momento em que saíram da Covilhã. No dia em que João (João Ventura), amigo comum de todos desde os idos tempos universitários, falece, todos terão que responder ao repto que este lançou enquanto últimos desejos – que fosse enterrado na Serra da Estrela e que o grupo de antigos colegas se reunisse no dia do funeral, para que imortalizassem o momento. Mas como conseguirão os membros do grupo fazer justiça ao desejo de João neste reencontro forçado? Como recuperarão as memórias de um colega que não primou por evidenciar o seu protagonismo? E, acima de tudo, que peso terão os 10 anos que os separam?”

cinema.sapo.pt

Imagine Cup 2010 – Projecto Volt

26 de Maio de 2010

UBI novamente em segundo lugar!

“O futuro passa pelos automóveis eléctricos equipados com sistemas de navegação. Quatro alunos da UBI desenvolveram agora um sistema, já adaptado às novas potencialidades, que permite fazer a gestão das viagens nestes veículos, o seu reabastecimento e as possíveis poupanças de tempo para o utilizador. Um sistema que conseguiu o segundo lugar no concurso Imagine Cup, promovido pela Microsoft.
Até 2011 Portugal irá ter uma rede de 1300 postos de carregamento de carros eléctricos. Segundo as projecções estatais nesta matéria, a comercialização de veículos eléctricos de preços acessíveis, será também uma das apostas pioneiras a curto prazo.
Foi a pensar num conjunto de novas utilizações que quatro estudantes de Engenharia Informática da UBI desenvolveram um programa de gestão e interligação para os novos veículos eléctricos. Uma investigação que concorreu com algumas centenas de projectos ao Imagine Cup, um desafio lançado pela Microsoft, e conseguiu o segundo lugar nacional.
Luis Matos, um dos estudantes e autores deste projecto começa por explicar que o trabalho “está baseado na tecnologia do carro eléctrico. Um dos objectivos deste desafio passa por proporcionar novas experiências através deste meio de transporte, de forma a torná-lo mais atractivo”. Para tal, os quatro alunos Pedro Querido, Luis Matos, Micael Adaixo e Mário Pereira, desenvolveram uma aplicação informática que é instalada quer no computador de bordo do automóvel, quer no computador pessoal do condutor e no telemóvel. Todos estes aparelhos estão interligados e permitem ao utilizador o planeamento de rotas e a execução das diferentes operações do automóvel.
“Imagine-se que estamos na nossa casa, na Covilhã e necessitamos de viajar no nosso carro eléctrico, até Lisboa. Este automóvel tem uma determinada autonomia que muito provavelmente irá ser esgotada ao longo do trajecto, o que levanta algumas questões, como onde recarregar as baterias do carro, quais as alternativas, o que fazer durante o tempo em que o automóvel está a carregar, entre outras coisas”, adianta Luís Matos.
Tudo isto está já pensado pelo “Volt”, o software desenvolvido na UBI. Um programa que trabalha em função da nova rede de postos de carregamento deste tipo de veículos, “Mobi.e”.
O utilizador está em sua casa e planeia a sua rota, um trajecto que é maior que a autonomia do veículo. “Aquilo que o sistema vai fazer é programar o tempo total de viagem, a melhor rota e também calcular quando e onde parar”, explica Pedro Querido. Um sistema que funciona de uma “forma bastante futurista e eficaz”, que tem sempre por base as necessidades do seu utilizador. Esta ferramenta não funciona apenas para trajectos de viagens longas, mas também para a utilização quotidiana, uma vez que, “com a informação que tem quer dos postos de abastecimento, quer de um vasto leque de serviços, o condutor pode descobrir rapidamente um restaurante, uma farmácia, um outro serviço que está perto da sua localização. Enquanto o seu automóvel está a carregar as baterias, o proprietário pode estar a tratar de diversos assuntos ou a ocupar o seu tempo em diversas actividades”, adiantam.
Nesse sentido, o modelo está ainda programado para atribuir um valor acrescentado ao utilizador. “Imagine-se que um posto de energia fica próximo de uma superfície comercial. O sistema pode ter protocolos com os vários comerciantes e os seus utilizadores, por estarem a carregar as suas baterias junto àquela superfície têm direito a descontos em lojas, ou a um desconto em restaurantes, etc.”, diz Luis Matos.
Já Mário Pereira prefere destacar o facto dos utilizadores do automóvel poderem ter acesso constante à Internet “e a uma espécie de loja virtual onde podem ser adquiridos serviços como filmes, informações sobre produtos, cidades e todo um conjunto de diversas informações”.
Um dos grandes propósitos deste sistema integrado, para além da interligação entre o automobilista e um conjunto diverso de serviços passa também por incentivar as pessoas a utilizarem carros eléctricos, “que pensamos nós, serem o futuro dos transportes”, acrescentam os jovens estudantes.”

Via UrbietOrbi

UBI atribui Honoris Causa a António Guterres‎

31 de Março de 2010

“A universidade da Beira Interior (UBI) decidiu entregar a António Guterres a mais alta distinção académica atribuída por uma universidade, o doutoramento Honoris Causa. António Guterres recebe o título de Doutor Honoris Causa pela universidade da Beira Interior. A universidade distingue com este grau personalidades eminentes de reconhecido mérito que se distingam nos diferentes domínios ou que tenham contribuído para o engrandecimento de Portugal e da universidade em particular.
António Guterres foi Primeiro-Ministro de Portugal entre 1996 e 2002, e no exercício deste cargo contribuiu para a aprovação da criação da faculdade de ciência da saúde da UBI “ o seu contributo para este projecto é exemplo marcante do seu empenho no desenvolvimento de Portugal e em concreto do interior”, refere a universidade da Beira Interior. Desde 2005 é alto comissário da ONU para os refugiados, contribuindo para a “afirmação de Portugal no Mundo”.
Em comunicado, a UBI afirma-se orgulhosa de reconhecer o mérito e a obra de António Guterres e “ o seu contributo para o desenvolvimento social e económico e o alívio da pobreza, em Portugal e no Mundo”.

in rcb

VIII FESTUBI – Festival de Tunas da UBI

25 de Março de 2010

Semana Académica 2010 @ UBI – Covilhã

19 de Março de 2010

Facebook AAUBI

Dias da UBI @ Covilhã

8 de Março de 2010

“Os Dias da UBI são uma iniciativa destinada a divulgar as capacidades e potencialidades da Instituição em termos científicos, técnicos e culturais e constituem uma oportunidade para dar a conhecer o ambiente universitário, através de visitas guiadas aos diversos Departamentos, Centros e ainda a outros sectores como a Biblioteca e o Museu.”

http://diasdaubi.ubi.pt/

XIX Jornadas de Informática @ NINF – UBI

3 de Março de 2010

http://ninf.ubi.pt/jornadas

Portugueses no Espaço

13 de Fevereiro de 2010


Trabalho made in UBI, para a cadeira de mestrado em Engenharia Informática – Animação e Realidade Virtual.
Autoria: Mauro Ferrão

Quase melhor que o Nemo

3 de Fevereiro de 2010

Mais um trabalho made in UBI, desta vez para a cadeira de mestrado em Engenharia Informática – Animação e Realidade Virtual.
Autoria: Fábio Camos e Flávio Amorim.

NINF LanParty V.XIII @ UBI

27 de Novembro de 2009


“Para efectuares a inscrição desloca-te, se possível, directamente à sede do NINF, junto ao Bar do Pólo IV ou fá-la através dos nossos contactos. A inscrição é de 9€ para Sócios do NINF e 10€ para os outros. A ligação que vai servir a LAN Party XIII será a da U.B.I., ou seja, de 50 MB. A ligação para o exterior da LAN Party XIII irá ter todas as portas bloqueadas, com excepção dos serviços de HTTP, Messenger e mais algumas portas de jogos que poderão ser abertas para que os utilizadores possam jogar em servidores externos à LAN Party.”

“Engenharia’ 2009 – Inovação e Desenvolvimento” @ UBI

23 de Novembro de 2009

A Faculdade de Engenharia da Universidade da Beira Interior, na Covilhã, organiza a 5.ª Conferência de Engenharia “Engenharia’ 2009 – Inovação e Desenvolvimento” a decorrer de 25 a 27 de Novembro do corrente ano.
Concebida como um amplo fórum de discussão, este evento tem por objectivos não só fomentar o contacto entre investigadores de diversas áreas de Engenharia mas também possibilitar a divulgação das suas actividades, de inovação e de desenvolvimento, junto dos vários sectores de actividade económica.
A “Engenharia’ 2009” está organizada em torno de várias áreas temáticas e no seu âmbito irá decorrer o 9.º Concurso “Pontes de Esparguete” – uma iniciativa que tem por público-alvo os alunos das Instituições de Ensino Superior e das Escolas Secundárias e o público em geral.

Classificação da Latada 2009 @ UBI – Covilhã

28 de Outubro de 2009

São bezanas ambulantes, capas negras de estudantes
A beber à desgarrada!

Queres do bom ao carrascão, da Covilhã ao Fundão
Nesta tuna embezanada!

Ti Aurora, Ti Aurora! Barril dentro barril fora
Vamos todos vomitar.

E com uma vomitadela, enchemos uma panela
Da cantina pró jantar

Quero… Ficar sempre estudante
Manter o figado… Em destilação constante
E se algum dia… O figado me faltar
Não há que desanimar, o qué que se faz? O qué que se faz?
Mete-se um plástico e toca andar!!

1 – Engenharia Civil
2 – Medicina
3 – Ciências Biomédicas
4 – ENGENHARIA INFORMÁTICA
5 – Ciências Farmacêuticas

Vídeos da Latada 2009 AQUI!!! (via Final Encounter)

Cartaz Recepção ao Caloiro 2009 @ UBI

19 de Outubro de 2009

Recepo ao Caloiro  gview3

Vídeo AQUI!!!

UBI – Época Especial

25 de Maio de 2009

DESPACHO N° 56/2009

Assunto: Realização de exames no período de exames especiais no ano lectivo 2008/2009

Considerando que nos termos do Despacho n° 2/2007, passou transitoriamente a ser ainda possível a realização de exames especiais no período reservado aos mesmos no calendário escolar, não só nos cursos da estrutura anterior a Bolonha mas também nos que se encontram em funcionamento no âmbito deste Processo;
Considerando ainda o insucesso que se verifica em algumas unidades curriculares determinante na retenção dos estudantes no ano curricular;
Considerando que se deve igualmente no âmbito da transição, proporcionar neste ano lectivo, a eventual realização de exames de repetição em unidades curriculares, nas quais já obtiveram aprovação os estudantes que tenham concluído o curso no ano lectivo 2008/2009 e que simultaneamente tenham estado inscritos nas mesmas.
Determino, ouvido o Presidente dos Conselhos Científico, a título excepcional para o presente ano lectivo, nos termos da alínea q) do n° 3.2. do Artigo
da Deliberação do Senado n° 7/93 de 26 de Junho, o seguinte:

1 – Que no período reservado a exames especiais no calendário escolar do ano lectivo

2008/2009, possam realizar até dois exames, os estudantes que por motivo pertinente, nomeadamente os supra referidos no presente despacho:

a) Necessitem de aprovação em unidades curriculares tendo em vista melhorar o respectivo sucesso escolar;

b) Pretendam efectuar a melhoria de classificação final em unidades curriculares em que tenham obtido aprovação no actual ano lectivo desde que já tenham concluído o respectivo curso e não tenham requerido o respectivo diploma.

2 – Os estudantes a que se refere o n° 1, devem requerer os exames nas datas estabelecidas para o efeito de 10 de Julho a 31 de Julho de 2009.

Universidade da Beira Interior – Covilhã, em 24 de Março de 2009

0 Reitor,

Manuel José dos Santos Silva

Notícias relacionadas:

João Queiroz eleito reitor da UBI

VII Festubi @ Covilhã

16 de Abril de 2009

489

João Queiroz é o novo Reitor da UBI

6 de Abril de 2009


Ver edital

Final Four da Zona NCS Futsal @ UBI

25 de Março de 2009

25 e 26 Março – Covilhã

4ª F – 17h30 – AAUBI x AAC
4ª F – 20h00 – IPLeiria x AAUM

5ª F – 10h00 – 3º e 4º Lugar
5ª F – 12h00 – Final

Vídeo da Semana Académica 2009 @ UBI

15 de Março de 2009

Dias da UBI – 10, 11 e 12 de Março

9 de Março de 2009

Mais informações: www.diasdaubi.ubi.pt

“Os Dias da UBI são uma iniciativa destinada a divulgar as capacidades e potencialidades da Instituição em termos científicos, técnicos e culturais e constituem uma oportunidade para dar a conhecer o ambiente universitário, através de visitas guiadas aos diversos Departamentos, Centros e ainda a outros sectores como a Biblioteca e o Museu.
Nesta décima segunda edição d’Os Dias da UBI serão apresentadas exposições, conferências, experiências em laboratórios, tecnologias computacionais e multimedia, num conjunto de iniciativas interactivas.”

UBI – Regras gerais de avaliação

4 de Março de 2009

ubi_-_polo_principal01

Caras/os Colegas,
Após conversa com o Sr. Reitor ele informou-me que o ponto 1.1 do artº 24 das regras gerais de avaliação tinha sido suspenso por despacho reitoral. Sendo assim o que se encontra em vigor é o regime de precedências:
 
SECÇÃO IV. – REGIME DE PRECEDÊNCIAS E DE TRANSIÇÃO DE ANO CURRICULAR  
Artigo 24º – Regime de precedências e de transição de ano curricular  

1 – A aprovação em todas as unidades curriculares de um determinado ano curricular face ao regime presencial a vigorar e competências globais a adquirir é requisito para os estudantes que venham a ingressar a partir do ano lectivo 2006/07 poderem efectuar a inscrição em unidades curriculares do ano curricular seguinte, sendo progressivamente integrados neste regime os estudantes com ingresso em ano lectivo anterior que não transitem de ano curricular. 
1.1 – Na inscrição a realizar nos termos do nº 2, sempre que não se verifique a transição de ano curricular após aplicação do nº 4, é obrigatória a inscrição em todas as unidades curriculares em que foi obtido aproveitamento.(1) – SUSPENSO
2 – O número de unidades de crédito em que um estudante se pode inscrever no ano lectivo é de 60 unidades de crédito. Nos cursos em que existam unidades curriculares optativas com diferentes unidades de crédito pode haver uma tolerância até mais 3 unidades de crédito. 
2.1 – É facultada a repetição de inscrição, por uma só vez no ano lectivo seguinte, para efeitos de melhoria de classificação final, em unidades curriculares nas quais o estudante já obteve aprovação em regular funcionamento, com recurso a unidades de crédito disponíveis, à excepção dos casos que determinam a conclusão de um ciclo de estudos.(2) 
2.2 – A classificação final a considerar é a melhor das obtidas nas escalas 10-20, sendo em caso de igualdade considerada a primeira aprovação na unidade curricular.(2) 
2.3 – Para além do disposto no número 2, pode o estudante, após auto-avaliação quanto à sua capacidade para superar com êxito o volume de trabalho adicional para além do estipulado para o ano lectivo e garantia de não sobreposição de horários de sessões de contacto, efectuar a inscrição em unidades curriculares do ano curricular seguinte, até ao máximo de 60 novos créditos (60 ECTS), não podendo ultrapassar, a soma dos créditos em que não obteve aproveitamento com os créditos do novo ano curricular, os 72 créditos (72 ECTS).(1) 
2.4 – Sem prejuízo do disposto no número anterior, em situações excepcionais, nomeadamente para efeitos de conclusão de determinado ciclo de estudos e outras devidamente fundamentadas, pode o estudante requerer, ouvido o Director de Curso, a inscrição até mais 12 créditos ECTS.(1) 
2.5 – Nos cursos adequados ao Processo de Bolonha, é facultado a título de melhoria de classificação, mediante parecer do Director de Curso, a repetição de inscrição de unidades curriculares da anterior organização de estudos, em regular funcionamento, com recurso a unidades de crédito disponíveis.(1) 
3 -Com vista à transição de ano curricular é instituído um mecanismo de compensação a aplicar pela Comissão de Ano Curricular instituída para cada ano curricular de um curso. 
4 – A aplicação do mecanismo de compensação pela Comissão de Ano Curricular terá lugar quando esta constate que nas unidades curriculares do respectivo ano se verifica após registo prévio das classificações, que o estudante vai obter a classificação de ensino-aprendizagem de “FREQUÊNCIA” ou que tendo obtido esta, apresenta uma classificação final de “REPROVADO”. 
5 – O mecanismo de compensação só é aplicável aos estudantes que se encontrem inscritos em todas as unidades curriculares de um mesmo ano curricular. 
6 – Na aplicação do mecanismo de compensação a Comissão de Ano Curricular ponderará em cada caso da viabilidade da mesma em função da globalidade do trabalho do estudante e dos objectivos e competências a adquirir tendo em consideração a natureza e o nível das unidades curriculares envolvidas na compensação. Para o efeito no caso de deliberação pela aplicação do mecanismo de compensação a Comissão disporá até 1 valor para utilizar no máximo em unidade curricular anual, semestral ou trimestral. 
7 – A Comissão de Ano Curricular instituída para cada ano curricular de um curso é composta em cada trimestre, semestre ou ano pelo Director de Curso, que desempenha a função de Presidente, pelo Tutor do ano curricular e pelos docentes responsáveis pelas diferentes unidades curriculares, sempre que não se encontre disposto em contrário, reunirá pelo menos uma vez em cada trimestre, semestre ou ano, sendo elaborada acta de cada uma das suas reuniões e desejável que a última sempre que seja o caso tenha lugar para a atribuição da classificação de ensino aprendizagem ao longo das actividades lectivas. 
8 – Após a reunião compete ao Júri/docente das unidades curriculares envolvidas na compensação proceder ao registo final da classificação nos termos estabelecidos para o efeito, a qual deve será assinalada em observações na pauta-termo. 

Caso necessitem de mais alguma coisa, disponham. Passem informação por favor.
Cumprimentos,
Ana Rei – Secção Pedagógica AAUBI
pedagogia@aaubi.net

XVIII Jornadas de Informática – UBI

2 de Março de 2009

nin

Programa das Jornadas e Site das Jornadas

IMPORTANTE: Revolução na UBI!!!

27 de Fevereiro de 2009

INSCRIÇÕES em 2009/10
Regime de precedências e de transição de ano curricular
(Artigo 24º das Regras Gerais de Avaliação de conhecimentos)

1 – A aprovação em todas as unidades curriculares de um determinado ano curricular em 2008/09 é requisito para os estudantes poderem efectuar a inscrição em unidades curriculares do ano curricular seguinte.
2 – O número de unidades de crédito em que um estudante se pode inscrever no ano lectivo é de 60 unidades de crédito. Nos cursos em que existam unidades curriculares optativas com diferentes unidades de crédito pode haver uma tolerância até mais 3 unidades de crédito.
2.1 – É facultada a repetição de inscrição, por uma só vez no ano lectivo seguinte, para efeitos de melhoria de classificação final, em unidades curriculares nas quais o estudante já obteve aprovação em regular funcionamento, com recurso a unidades de crédito disponíveis, à excepção dos casos que determinam a conclusão de um ciclo de estudos.
2.2 – A classificação final a considerar é a melhor das obtidas nas escalas 10-20, sendo em caso de igualdade considerada a primeira aprovação na unidade curricular.”

informação retirada do balcão virtual

468ubi_aniversario_2008

A morte do ensino superior em Portugal! Foi publicado nos últimos dias no Balcão Virtual dos serviços académicos da UBI, a informação de que será posto em prática o último processo de adaptação ao regime de Bolonha. Todos os alunos, no ano lectivo de 09/10 não se poderão inscrever em cadeiras de anos diferentes, ou seja na pratica se deixas-te uma cadeira do primeiro ano por fazer, então prepara-te pois para o ano terás de te matricular no primeiro ano e só poderás frequentar cadeiras do mesmo. Poderás ainda te inscreveres em cadeiras de outros anos mas só como aluno externo e não do teu curso ou seja, terás de procurar cadeiras de outro curso que dêem equivalência à cadeira que pretendes fazer. Por exemplo: Um aluno está no primeiro ano e deixou uma cadeira para trás, para se inscrever a matemática do segundo ano terá que procurar noutro curso, uma cadeira que de equivalência e matricular-se nela como aluno externo. Além dos quase mil euros que paga como propinas para andar no primeiro ano, para fazer as cadeiras que não conseguiu fazer , sejam elas quantas forem,  terá que pagar mais um extra para se inscrever noutras cadeiras que deseje ir fazendo. Isto porque andar cá um ano por três cadeiras não é agradável…… A gravidade disto impõe-se no seguinte: Quantas pessoas terão capacidade de suportar esses gastos financeiros? O número de desistências será enorme, haverão vidas e sonhos estragados… Tem-se conseguido adiar esta transformação de Bolonha o mais possível mas pelos vistos chegou o dia de fazeres algo por ti pelo teu futuro, age e manifesta-te!!!Em Espanha os nosso irmãos estão a agir. Vamos ser mais uma vez a cauda da Europa.  Vê a noticia -> AQUI!!!

ACTUALIZAÇÃO AQUI!!!

Aparelho criado na UBI regista intensidade da dor

26 de Dezembro de 2008

“O equipamento chama-se Algígrafo e permite ao doente transmitir a quem o está a tratar, no momento, a intensidade da dor ou desconforto que está a sentir, para que o clínico possa corrigir o procedimento. Numa segunda fase pretende-se fazer essa medição apenas com base em sinais fisiológicos.
Permite registar e traduzir a intensidade da dor no momento em que um utente está a ser alvo de tratamento médico. O nome do aparelho é Algígrafo e foi desenvolvido na Universidade da Beira Interior (UBI) por três investigadores. Neste momento ainda se encontra na fase de protótipo, mas já há interessados em comercializar o equipamento. Um processo que só poderá ter início depois de a patente ter sido registada.>Composto por um sensor que o doente segura na mão e por um programa informático, o Algígrafo dá a possibilidade a quem está a ser intervencionado de transmitir ao profissional de saúde o grau de desconforto ou dor que sente no momento, premindo o manípulo que tem na mão. “O que se pretende é dar controlo ao doente para que, comunicando com o médico, este mude o procedimento utilizado, de modo a não ser tão desconfortável”, explica Vasco Rolo, estomatologista e mestrando na UBI.
O que existia até agora eram apenas escalas visuais analógicas que as pessoas apontavam para atribuírem um posicionamento à dor que sentiram. Com o inconveniente de ser feito posteriormente ao tratamento e através de questionários. O que obriga à participação de um terceiro elemento e tem a desvantagem de a pessoa já não se lembrar exactamente da dor sentida em cada altura. “Este aparelho permite a indicação no momento, é mais real, possibilita a intervenção imediata de quem está a tratar, pode-se corrigir logo o procedimento”, sublinha Pedro Araújo, docente do Departamento de Informática.
Questionado sobre a subjectividade da medição, Pedro Araújo realça a maior exactidão em relação aos métodos existentes, de mera observação. Por o doente, com o manípulo na mão, ter tendência a apertar automaticamente quando sente dor, com maior ou menor intensidade, e por tudo ser registado de forma electrónica.”

URBI et ORBI

Churrascada NINF @ UBI

24 de Novembro de 2008

http://ninf.ubi.pt

“Olha a febrinha quente!!
O Ninf vem desta forma apresentar mais um evento.
Quando a fome aperta temos de ir comer, por isso, anunciamos uma churrascada no Bar Académico(BA), que começa pelas 20h e termina ao fecho do BA(4h).
O NINF convida a todas as pessoas a comparecer no BA.”

Professor da UBI mede Quilimanjaro

4 de Outubro de 2008

“O professor do Departamento de Informática da UBI, Rui Fernandes, está a liderar a expedição internacional que vai medir o Monte Quilimanjaro, na próxima semana. O docente de Sistemas de Informação Geográfica da UBI e investigador do Instituto Geofísico D. Luis lidera um grupo de 14 investigadores de cinco países.
O projecto tem como objectivo medir a altura actual do monte Quilimanjaro. Para tal, serão combinados os dados de GPS (Global Positioning System) com dados da gravidade.
O projecto surge pelo facto de as anteriores medições do pico Uhuru, o ponto mais elevado do Quilimanjaro, efectuadas no século XX, na época colonial e nos anos 90, esta última através de GPS, terem ditado diferentes valores para a sua altitude – 5.895 e 5.892 metros, respectivamente – resultados que os especialistas ainda hoje questionam.
“O Quilimanjaro é a montanha mais alta do mundo cujo topo pode ser alcançado a pé, sem recurso a equipamento de escalada”, declarou Rui Fernandes. A expedição deverá permitir uma medição precisa da altitude, a partir de cálculos científicos “nunca antes realizados”.
A introdução do GPS nas medições de altitude veio permitir fazer esses cálculos em relação ao elipsóide, a superfície geométrica que melhor representa a forma da Terra, ao passo que as medições convencionais tinham em conta o nível médio das águas do mar. Paralelamente, vai ser medida a gravidade em diferentes pontos do antigo vulcão coberto de neve, localizado próximo da fronteira com o Quénia.
“Este projecto é uma extraordinária combinação entre motivação científica (aplicação de novas técnicas de medição geodésica), problemas técnicos (dificuldades computacionais a altas altitudes) e desenvolvimento do conhecimento humano, refere o investigador no blogue da expedição.
A equipa ficará instalada em Moshi, a cidade tanzaniana mais próxima do Quilimanjaro, iniciando os trabalhos no dia 01 de Outubro. A subida será feita em jipes até aos 1.800 metros de altitude. Os 30 quilómetros que se seguem até ao pico Uhuru serão feitos a pé, transportando o equipamento com a ajuda de carregadores locais. Dos 14 investigadores, apenas seis vão escalar o monte, ficando os restantes fora do parque nacional do Quilimanjaro, classificado pela UNESCO como Património da Humanidade em 1987.
Quando atingirem o cume da “montanha branca”, os investigadores vão assinalar o momento com um brinde de “Licor Beirão”, um dos patrocionadores da iniciativa. Os outros patrocinadores são a Fundação para a Ciência e Tecnologia, que atribuiu um financiamento especial ao projecto, a Câmara Municipal da Lousã, a agência de viagens Paneuropa e a Trimble, uma marca norte-americana de equipamentos de precisão.
Participam institutos de investigação da Universidade da Beira Interior, Algarve, Coimbra e Porto. O projecto envolve ainda entidades da Tanzânia, Quénia, Egipto e Holanda.”

In Urbi et Orbi


%d bloggers like this: